Senador quer criminalizar uso de robôs na internet para campanha política

De acordo com Braga, “esse tipo de mensagem automática é uma intervenção ilegítima que pode atrapalhar o processo democrático”. O PLS 413 “constitui crime a oferta, a contratação ou a utilização de ferramenta automatizada que simule ou possa ser confundida com pessoa natural para gerar mensagens ou outras interações, pela internet ou por outras redes de comunicação, com o objetivo de influenciar o debate político ou de interferir no processo eleitoral”.

Essas ferramentas têm sido utilizadas para criar e para inflacionar artificialmente a popularidade de notícias positivas relacionadas a determinados candidatos ou grupos políticos

O projeto ainda quer puniros responsáveis pela contratação de bots com detenção de de 3 (três) a 5 (cinco) anos, além de multa de R$ 30 mil a R$ 100 mil.

“Em recente pesquisa publicada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), foi demonstrada a utilização de “contas automatizadas” ou “robôs” para o envio de mensagens em massa com o objetivo de manipular o debate político em redes sociais. De acordo com o estudo, as mensagens falsas, que simulam opiniões de pessoas reais, representariam mais de 20% (vinte por cento) do total de interações ocorridas sobre temas de relevância político-eleitoral”, justificou o senador Braga. “Essas ferramentas, como explica o citado relatório, têm sido utilizadas para criar e para inflacionar artificialmente a popularidade de notícias positivas relacionadas a determinados candidatos ou grupos políticos, bem como para amplificar o destaque de mensagens negativas relativas a seus opositores”.

Um exemplo da presença de bots na política: recentemente, o vereador Carlos Bolsonaro indicou que o atual prefeito de São Paulo, João Dória, compra seguidores na rede social Instagram. Em junho deste ano, um estudo chamado de “Propaganda computacional no Brasil: Bots sociais durante as eleições”, revelou alguns dados interessantes sobre a corrida eleitoral de 2014. Abaixo, as principais descobertas do estudo:

  • PSDB gastou cerca de R$ 10 milhões em bots em Facebook, Twitter e WhatsApp durante a corrida eleitoral de Aécio Neves
  • Após a derrota para Dilma Roussef (PT), os bots do PSDB continuaram agindo, porém foram reprogramados para divulgar o conteúdo de páginas como “Revoltados ON LINE” e “Vem Pra Rua”
  • O estudo diz que o Revoltados ON LINE contava com 16 milhões de bots do PSDB, enquanto o Vem Pra Rua tinha 4 milhões
  • O PT também utilizou bots pró-Dilma Rousseff na internet, mas em escala menor: enquanto os bots do PSDB alcançavam cerca de 80 milhões de pessoas, os bots do PT ficavam nos 22 milhões
  • O estudo ainda comenta que, após o fim das eleições, os bots comprados pelo PT foram encerrados em sua maioria — e algumas contas apenas replicavam programas do governo

Mas por que partidos contratam bots? Ora, os bots têm a capacidade de perpetuar uma ideia pela internet e angariar novos aliados aos partidos. Além disso, os números de apoio são inflados e, com isso, acabam captando até eleitores indecisos.

Senador quer criminalizar uso de robôs na internet para campanha política
Avalie esta postagem